PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 8812-5277


segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

Bolsonaro dobra a aposta e deve mexer em reajuste da conta de energia elétrica



 Investidores, empresários e analistas esperam com ansiedade os desdobramentos da troca abrupta do presidente da Petrobras e as novas mudanças prometidas pelo presidente Jair Bolsonaro em outras áreas. Após a recepção negativa diante da indicação do general Joaquim Silva e Luna como substituto de Roberto Castello Branco, atual presidente da Petrobras, em reação à política de aumento de preços da companhia, Bolsonaro decidiu dobrar a aposta e avisou no sábado, 20, que também vai "meter o dedo na energia elétrica".

"Assim como eu dizia que queriam me derrubar na pandemia pela economia fechando tudo, agora resolveram me atacar na energia", disse Bolsonaro a apoiadores em Brasília. "Vamos meter o dedo na energia elétrica que é outro problema também."

A Agência Nacional de Energia Elétrica estimou no começo de fevereiro que o reajuste tarifário pode chegar, em média, a 13% em 2021.

Tanto a mudança na Petrobras como a intenção de reduzir o impacto na conta de luz dos brasileiros foram percebidas sem muito esforço como medidas populistas para conter a desaprovação do presidente, que mira a reeleição em 2022.

Com o ritmo lento de vacinação e sem uma definição clara se e quando o auxílio emergencial pode voltar, 44% da população desaprova o governo Bolsonaro, de acordo com a última pesquisa EXAME/IDEIA. Logo, mexer em itens que impactam diretamente o bolso dos brasileiros é a opção que o governo decidiu se agarrar por ora.

Se as medidas serão capazes de melhorar a imagem de Bolsonaro perante a população, o tempo dirá. O que já é certo é que, no momento, o mercado financeiro parece ter perdido as esperanças de que agenda liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, irá decolar.

Como relatou EXAME IN, grandes fundos já deixaram claro seu desconforto com a retomada de velhas políticas intervencionistas:

“O retorno ao passado seria um revés na trajetória de reconstrução de credibilidade da Petrobras e melhora observada nos últimos anos, colocando em risco não apenas a estratégia atual, mas também todos os esforços do País em atrair investimentos privados para o desenvolvimento da indústria de óleo e sua cadeia de valor”, declarou a gestora de recursos britânica Aberdeen Standard Investments, dona de uma posição de cerca de R$ 1,8 bilhão em ações da estatal, em mensagem ao Conselho de Administração da Petrobras.


As informações são do Portal EXAME

Nenhum comentário: