PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 8812-5277


terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Adolescente vende brigadeiros para adotar cachorro, em Maringá

Foto: G1 Paraná


Um adolescente, de 16 anos, aprendeu a fazer brigadeiros e começou a vender os doces para realizar um sonho de criança: adotar um cachorro. Com a ajuda da família, Marco Antônio Oliveira de Proença sai pelas ruas de Maringá, no norte do Paraná, em busca de arrecadar o dinheiro necessário.

Marco se lembra de quando era criança e ganhou um cachorro do pai. Apesar disso, à época, as reações alérgicas que ele teve impediram que o mascote continuasse na família. "Eu sempre tive alergia. Meu pai adotou um, mas não deu, a gente ficou um dia com ele e teve que devolver porque eu estava com alergia", lembrou.

Agora, a alergia já não é mais forte como antigamente, e o sonho de adotar um cachorro pode finalmente em se tornar realidade.

Mesmo assim, Marco tem consciência dos gastos iniciais para adoção. Ter um animal novo exige diversas responsabilidades, como alimentação, itens de higiene e vacinas. "Já visitamos pet shops para ver preços de ração e das vacinas. E é melhor adotar, porque comprar você só deixa o rico mais rico, fortalece uma indústria. Fora que é vendido a um preço que não tem como pagar", contou.

O adolescente lembrou também que muitos animais sem raça definida aguardam pela adoção para ter um lar.


Começo da produção

A ideia de fazer os brigadeiros começou depois do adolescente ter visto na internet um rapaz que vende doces para viajar o mundo. Por conta disso, ele e os pais pediram a ajuda de uma tia que mora em Sarandi, também no norte do estado. A tia do jovem o ensinou a preparar os doces. "A minha mãe e eu fazemos 40 doces por dia. Teve dias que a gente vendeu tudo, mas teve um dia que sobrou. Tem pessoas que ajudam bastante, tem pessoas que não olham na sua cara, mas é muito legal", disse.

Cada brigadeiro custa R$ 2. Marco começou no bairro onde mora, na Zona 4 de Maringá. Depois disso, ele resolveu vender os doces também no Centro da cidade. A mãe de Marco, Sandra de Oliveira de Proença, disse que se sente orgulhosa do filho pela atitude. "Eu ajudo, a gente põe touca, põe luva, é tudo higiênico. Ele sempre quis ter um cachorrinho, mas como ele tinha muita asma, não podia. Agora, ele pode ter. Estou orgulhosa dele por ter esse projeto", contou.

Cuidados ao adotar

A médica veterinária Francielle Müller explica que são necessários alguns cuidados após a adoção de um cachorro. No caso dos animais que são acolhidos diretamente da rua, sem passar antes por uma instituição, a melhor opção é levar o cachorro antes a um veterinário para verificar possíveis doenças. "As primeiras coisas são a vacinação e vermifugação. Isso vale tanto para os animais que venham de ONGs quanto da rua", explicou.

Além disso, os tutores também precisam adaptar a casa ou apartamento onde vivem para receber o animal com toda segurança, garantindo ração, água fresca, local para necessidades e brinquedos Vinicius Gargaro, médico veterinário, também explica que é preciso haver um alinhamento das expectativas do tutor com aquilo que ele pode oferecer ao animal e vice-versa. "É preciso levar todos os aspectos em consideração priorizando o bem-estar dos pets. É uma mudança para as duas partes. Acima de tudo isso, o amor é fundamental."


As informações são do Portal G1 Paraná

Nenhum comentário: