PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 8812-5277

sábado, 16 de maio de 2020

Médica de Maringá pode assumir o Ministério da Saúde

Facebook
A médica imunologista e oncologista de Maringá Nise Yamaguchi está entre os nomes favoritos do presidente Jair Bolsonaro para assumir o Ministério da Saúde, após a demissão precoce de Nelson Teich, nesta sexta-feira, 15.
Nise está em Brasília em reunião no Palácio do Planalto, no início da tarde de hoje. Ela participou de um evento do governo federal para incentivar a denúncia de violência doméstica, que nada tinha a ver com saúde. Após o evento, subiu para o gabinete do presidente, acompanhada de Bolsonaro.
O discurso da médica de Maringá é muito alinhado com a o pensamento do presidente Jair Bolsonaro com relação ao isolamento vertical e também quanto ao uso da cloroquina para tratamento da covid-19. Em seus estudos, Nise defende o uso da droga para salvar pacientes com a doença. 
Bolsonaro, que há alguns dias havia parado de falar do uso do medicamento, voltou a defender a utilização da cloroquina no tratamento da Covid-19. Ele chegou a ter alguns conflitos com Teich por conta da cloroquina.
Nos últimos dias, Teich e Bolsonaro discordaram de temas como uso da cloroquina e medidas de isolamento, por isso, Teich pediu demissão do cargo na manhã desta sexta-feira, 15. É a segunda troca na Saúde durante a pandemia do coronavírus.

Maringaenses no "time" de ministros

Caso o nome de Nise se confirme, ela será a terceira pessoas nascida em Maringá a assumir um cargo de ministro. Antes dela, Sergio Moro ocupou a pasta da Justiça e Segurança Pública, também no governo Bolsonaro, e Ricardo Barros foi ministo da Saúde durante o governo de Michel Temer.
Quem também tem história em Maringá e ocupou um cargo de ministro foi Murilo Macedo. Ele foi nomeado para o Ministério do Trabalho no governo do general João Baptista de Figueiredo (1979-1985). Mineiro de Sete Lagoas, ele presidiu a Associação Comercial e Industrial de Maringá (Acim), no biênio 1957-1958.


CBM Maringá / Agência Estado

Nenhum comentário: