PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 8812-5277

quarta-feira, 25 de março de 2020

Bolsonaro e Mandetta não participam de coletiva; Governadores reagem duramente

Depois de discutir com os governadores do Rio de Janeiro, Wilson Witzel e João Doria, de São Paulo, o presidente Jair Bosonaro, juntamente o ministro Mandetta, fariam um nova coletiva sobre as ações do governo federal no combate à pandemia do coronavírus. Há pouco o Palácio do Planalto cancelou a coletiva, com a presença do presidente e do ministro, sem explicar os motivos.
Quem falou com a imprensa sobre a crise política desencadeada na noite de ontem, foi Heitor Abreu, Subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil. Segundo ele, não há nenhuma nova diretriz do governo federal com relação ao combate do coronavírus. “Não há novas diretrizes sobre fechamentos de escolas e comércio no país”, afirmou.

A coletiva com os jornalistas foi rápida e com poucas perguntas.

Mais cedo, em uma reunião virtual com o governadores da região Sudeste, o presidente acusou os dois governadores, que são seus adversário políticos, de “fazer demagogia” com relação às medidas de isolamento tomadas nos estados.
Logo depois da reunião com os governadores o presidente se reuniu com o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

ENTIDADES SE MANIFESTAM CONTRA O PRESIDENTE
Desde o pronunciamento de ontem à noite (23), várias entidades classe ligadas ao setor da saúde se manifestaram contrárias ao presidente Jair Bolsonoro.

A  Sociedade Brasileira de Infectologia divulgou uma nota de esclarecimento logo após o pronunciamento. No documento, a SBI diz que ficou preocupada com o presidente ser contra o fechamento de escolas e se referir ao coronavírus como um resfriado.
“Tais mensagens podem dar a falsa impressão à população que as medidas de contenção social são inadequadas e que a COVID-19 é semelhante ao resfriado comum.”
Em carta aberta, Secretários Estaduais de Saúde do Brasil, informaram estar “estarrecidos” com o pronunciamento do presidente.

” Temos plena consciência de que o Brasil e o mundo irá enfrentar uma grave recessão econômica, aprofundamento das desigualdades sociais e empobrecimento. A economia, com trabalho, disciplina, organização e espírito público, se recuperará. Seremos solidários e trabalharemos sem descanso para permitir uma rápida recuperação da nossa economia. Mas é preciso que se entenda, vidas perdidas, não serão recuperadas jamais”.

GOVERNADORES SE REÚNEM NA TARDE DESTA QUARTA-FEIRA
O governador de São paulo, João Doria, informou há pouco em entrevista coletiva, que os 27 governadores de estado  concordaram em participar de uma reunião virtual, às 18h desta quarta-feira (25). Inicialmente a reunião tem previsão de duas horas e na pauta o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro, contra as recomendações dos órgãos de saúde e de seu próprio ministério, para o combate ao coronavírus.

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), aliado do presidente até ontem, informou na manhã desta quarta-feira (25), seu rompimento com o presidente.

“Não tem mais diálogo com esse homem. As decisões do presidente da República não alcançarão o Estado de Goiás.  “Desta vez ele rompeu os limites”

RATINHO JR. DIZ QUE VAI MANTER AS DECISÕES DE ISOLAMENTO NO ESTADO
Mesmo sendo aliado de Jair Bolsonaro, o Governo do Paraná anunciou nesta quarta-feira (25) que irá manter o planejamento de contingência contra o coronavírus. Isso inclui o isolamento social e o fechamento dos comércios.

Na noite de ontem, Bolsonaro pediu aos governos estaduais e prefeituras que cessem o isolamento para pessoas com menos de 60 anos. “Nossa vida tem que continuar, os empregos devem ser mantidos, assim como os sustentos das famílias. Algumas autoridades devem abandonar o terreno de terra arrasada”, apontou o presidente no discurso em rede nacional.
Porém, o governador Carlos Massa Ratinho Junior decidiu seguir as orientações do Ministério da Saúde e continuar com o planejamento em relação à pandemia do coronavírus. Horas antes, o Governo do Paraná anunciou pacote social de R$ 400 milhões para ajudar famílias paranaenses.

NÓS FICAMOS EM CASA”, AFIRMA O PREFEITO RAFAEL GRECA

Rafael Greca afirmou que a Prefeitura de Curtiba segue as medidas repassadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em relação à pandemia de coronavírus. “Em repeito aos curitibanos, nós continuamos em casa”, disse Greca no final do pronunciamento.
Na noite de ontem, em pronunciamento em rede nacional, o presidente Jair Bolsonaro orientou os governadores e prefeitos do país para cessarem o isolamento social para pessoas com menos de 60 anos, indo contra o Ministério da Saúde.
“Nossa vida tem que continuar, os empregos devem ser mantidos, assim como os sustentos das famílias. Algumas autoridades devem abandonar o terreno de terra arrasada”, apontou o presidente no discurso em rede nacional.

Fonte: Paraná Portal

Nenhum comentário: