PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 8812-5277

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Balas de canhão são encontradas por agricultores no Paraná

Duas munições de canhão foram encontradas por moradores da área rural de Tijucas do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, na tarde desta sexta-feira (14). Os artefatos bélicos foram entregues a policiais do 17º Batalhão de Polícia Militar no município. Lá, as munições foram isoladas até a chegada do Esquadrão Antibombas do Batalhão de Operações Especiais (Bope) de Curitiba.
De grande porte, os projéteis podem ainda estar carregados, oferecendo risco de detonação, como explica o soldado Gelvis. “As munições foram isoladas. É perigoso, não há como ter certeza se elas ainda podem ser detonadas. Quem fará esta verificação é o Esquadrão Antibombas, que recomenda que ninguém mexa neste material”, diz. Apesar dos riscos, as pessoas que encontraram as balas em uma plantação levaram o material nas mãos até a unidade policial. Ainda de acordo com o soldado, esta não é a primeira vez que materiais bélicos são encontrados em Tijucas do Sul.
“Há um ou dois anos outras duas munições de canhão já tinham sido encontradas e entregues aqui. Segundo moradores, a região já teve um campo de treinamento do Exército, por isso, estes materiais ainda são achados”, afirma Gelvis.

De onde podem ser as balas?

Há duas hipóteses para a origem das balas de canhão encontradas nesta sexta em Tijucas do Sul. Elas podem ser das tropas contidas no cerco da Lapa durante a Revolução Federalista. Antes de serem impedidas de avançar na Lapa, tropas revolucionárias atacaram Tijucas do Sul em janeiro de 1894. Para tentar conter o avanço das tropas, dois canhões Krupp foram utilizados por combatentes de Tijucas do Sul.
A outra hipótese é de que as balas sejam da Guerra do Contestado, batalha que ocorreu no Sudoeste do Paraná e Oeste de Santa Catarina entre 1912 e 1916. Antes da batalha, Tijucas do Sul teria recebidos tropas do Exército para treinamento antes de serem enviadas para o conflito.


Fonte: Tribuna do Paraná

Nenhum comentário: