PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 8812-5277

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Por 5 votos a 3, Câmara arquiva denúncia de cassação contra prefeito da região

A Câmara de Vereadores de Luiziana arquivou na manhã desta segunda-feira (2), por 5 votos a 3, denúncia que pedia a cassação do prefeito da cidade Mauro Alberto Slongo (PSD). A denúncia contra o gestor foi apresentada pelo vereador Pedro Paulo Schner Faria (PL). Ele pediu a cassação de Slongo por extrapolar gastos com a folha de pagamento dos servidores municipais. Tanto o presidente do legislativo, Marcio Fin, quanto o autor da denúncia não votaram. O voto de Faria, autor da representação, foi substituído pelo de sua suplente, Cleonice, o que é permitido pelo regimento interno do Legislativo. A primeira suplente foi convocada, mas não compareceu. “Já esperava pelo arquivamento, era uma denúncia sem qualquer cabimento. Municípios do Brasil inteiro vivem a mesma situação de Luiziana, assim como vários outros municípios da Comcam. Se fosse assim, vários prefeitos da região teriam que ser cassados”, falou Mauro Slongo, em entrevista à TRIBUNA, ao comentar sobre o arquivamento da denúncia. Ele disse acreditar que a representação teve motivação política. “O vereador fez tempestade em copo de água”, ressaltou. Faria alegou na denúncia que desde o fim de 2017 a Câmara de Vereadores vem alertando o prefeito sobre a extrapolação de gastos. Segundo ele, a folha de pagamento dos servidores municipais já chegou a consumir 61% da receita corrente líquida do município. Atualmente o percentual está em 60%. No entanto, Slongo afirmou que a folha está entre 58% a 58,5%. “A gente vem desde março deste ano buscando alternativas para reduzir este percentual. Cortamos gratificações, horas extras e até congelamos os avanços de alguns servidores, que nos entenderam”, falou. O prefeito acredita que com as medidas de cortes adotadas pela administração e a expectativa de melhora na receita neste fim de ano, o índice feche o quadrimestre (setembro / dezembro) abaixo dos 54%, valor preconizado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). “Os trabalhos continuam para reduzirmos estes gastos”, ressaltou. Informações do portal Tribuna do Interior, vejam a matéria completa CLIQUE AQUI.

Nenhum comentário: