PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Professor pula corda com aluno cadeirante no colo e vídeo viraliza na web

Um vídeo que mostra um professor de educação física pulando corda com um aluno cadeirante viralizou nas redes sociais. O registro foi feito em uma escola da rede pública de Taubaté (SP) durante a aula de educação física. Em cinco dias a postagem na página do educador teve mais de 700 mil visualizações e 16 mil compartilhamentos. João Hoffmann é professor de educação física na escola Sítio I, onde Heitor, 7 anos, estuda. Na quinta-feira (31) ele conta que os alunos estavam em um período livre para brincadeiras quando Heitor viu um grupo pulando cordae pediu para pular junto com eles. Em resposta ao pedido, ele pegou o aluno no colo e pulou corda com ele. A cena foi flagrada por outro professor e postada por João em uma rede social, mas ele explica que a repercussão tomou proporção maior do que o esperado. “Tento sempre trabalhar de maneira que ele possa ser incluído, para a turma também não colocar limitações para ele. É uma criança com deficiência, mas queria que tivesse aquele momento. Foi um gesto simples, mas que eu sei que para ele fez diferença”, conta o educador. A mãe de Heitor, Natália Nascimento Magalhães, explica que o comportamento do filho mudou com a iniciativa do professor. "A aula de educação física sempre foi uma aula que não era tão divertida, os professores acabavam deixando para lá porque ele é deficiente e não tinha como incluir. Agora está sendo muito diferente. Os dias preferidos dele são terça e quinta, quando acontecem as aulas de educação física. O trabalho que o João faz é incrível", disse. Natália ressalta que é difícil encontrar profissionais que estejam preparados para lidar com crianças com deficiência. "A criança já passa por uma série de restrições e ter essa inclusão deixa tudo mais leve. Ele se diverte muito, quando tem futebol fica no gol, as próprias crianças passam a ter uma outra visão. Seria bem melhor se todo mundo pensasse assim", explica a mãe. (G1).


Nenhum comentário: