href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Em meio a polêmicas vereadores aprovam férias do prefeito, debatem afastamento de parlamentar e fazem cobranças na saúde em Borrazópolis

Em sessão tumultuada vereadores aprovaram férias do prefeito com 03 votos contra. Houve cobranças na saúde e muita discussão após "Dominado" apresentar requerimento pedindo afastamento do vereador "Arnildo"
Vereador Arnildo Vieira se defendeu das acusações em plenário
Em meio a polêmicas a Câmara de Vereadores de Borrazópolis teve uma sessão bastante tumultuada na noite de segunda-feira 10 de junho de 2019. Vário assuntos foram debatidos, requerimentos apresentados e cobranças ao executivo municipal. Uma das primeiras propostas discutidas foram as férias do prefeito municipal. Ao ser lido o parecer em plenários, o presidente colocou a proposta de férias do atual prefeito Adilson Lucchetti o “Didi” em votação, que seria no período de 01/06 a 01/07 com remuneração. A proposta terminou em 06 votos a 03 no plenário, onde os vereadores Marcelo Pires Rodrigues o “Marcelão”, Wellyngton Jhonis e Osvaldino Mendes o “Bazuca” votaram contra e em suas justificativas destacaram que apesar de ser um projeto legal, não seria propicio, haja visto, que o executivo já havia se afastado a poucos dias tendo ainda os recessos de final de ano e respeitando o posicionamento dos demais vereadores. "Entendo que o prefeito tem desenvolvido seu trabalho e é seu direito, mas o trabalhador brasileiro tem apenas uma férias no ano, não concordo com essa situação, votei contra no ano passado e vou votar novamente" disse o vereador Bazuca, ao votar contra a proposta. Ao usar o plenário, o vereador Wellyngton Jhonis fez um esclarecimento em sua fala, destacando cobranças que havia sido feitas na sessão passada sobre a secretaria municipal de saúde, que não havia falado mal de funcionários e pelo contrario, defendendo uma melhoria de salario para os servidores da pasta, concurso público, plano de cargo e salário além de reivindicações da comunidade como Médicos Especialistas, Demora em Exames, falta da sala de raio-x e entre outras reclamações que vem recebendo dos moradores, aproveitando a oportunidade que o secretario de saúde também estava acompanhando a sessão. POLÊMICA – Ao fazer o uso da palavra o vereador Otair Senes o “Dominado” apresentou um requerimento pedindo que fosse montada uma Comissão de Inquérito para que afastasse o vereador Arnildo Vieira, que estaria respondendo por alguns processos judiciários. Apesar do requerimento não ter sido colocado na pauta da sessão, foi lido pelo parlamentar na Tribuna, que fez uso das palvras justificando o motivo da sua proposta. Por sua vez, Arnildo se defendeu em plenário dizendo que o processo já prescreveu e seria um problema particular dele e não da câmara. Após a fala do vereador Otair Senes o “Dominado” o vereador João Cândido Ferreira o “João da Dita” pediu a palavra na defesa do parlamentar acusado e atacando a mesa diretora da gestão passada (na qual dominado fazia parte), colocando em pauta um assunto que não estava em discussão. O vereador Marcelo pires Rodrigues o “Marcelão (presidente da mesa diretora anterior) usou a palavra e destacou: "Eu não iria me pronunciar, mas como citaram o meu nome e o meu trabalho na presidência desta casa e o criticaram, tenho o dever de esclarecer, primeiro, eu sou solidário ao nobre vereador Arnildo e que a justiça vai julgar o caso e tem mais, eu não vou aos órgãos de imprensa e nem uso meu Facebook para acusar os outros sem ter provas e sei o que o Arnildo está passando, pois eu senti na pele as acusações que falavam de mim e de minha família" disse o vereador Marcelão que acrescentou "Cuidado com que fala de mim, eu tenho provas e tenho documentos que podem virar contra vocês mesmos" finalizou Marcelão. O vereador Welyngton Jhonis também fez o uso da palavra e destacou que a situação de Arnildo, completando o pronunciamento de Marcelão, sobre acusações da mesa anterior. “Não queremos confundir justiça com vingança o caso é particular dele e precisa ser esclarecida na justiça e não na câmara” finalizou.

Nenhum comentário: