href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Proposta no Congresso pode estender mandato de prefeitos da região até 2022

Deputado federal quer prorrogar mandatos de prefeitos e vereadores do país para unificar as próximas eleições gerais
Uma Proposta de Emenda à Constituição apresentada este ano no Congresso Nacional pode estender o mandato de prefeitos da região até 2022 sem a necessidade de nova disputa eleitoral. Na prática, a PEC 49/2019 visa prorrogar a validade dos mandatos atuais de prefeitos e vereadores de todo o Brasil para que as próximas eleições municipais coincidam com as gerais, quando também são eleitos deputados, senadores e presidente. Autor dessa proposta, o deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB/SC) justifica que “haverá economia significativa de recursos públicos, na medida em que serão eliminados os gastos relativos aos processos eleitorais municipais realizados de forma isolada”. “O impacto positivo será experimentado a curto prazo, pois o pleito de 2020 já não mais ocorrerá. Os valores poderão ser utilizados em serviços essenciais à população, tais como ensino, saúde e segurança pública”, argumentou o parlamentar na justificativa da PEC. Caso seja aprovada, a prorrogação por dois anos dos mandatos dos atuais prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, eleitos em 2016, estenderá os governos municipais, entre eles o de Dourados, até 1º de janeiro de 2023, mesma data em que chegam ao fim os de governadores, vice-governadores, deputados federais e estaduais, eleitos em 2018. Apresentada na Câmara dos Deputados no dia 10 de abril, a PEC 49/2019 não avançou ainda. Cinco dias após ter sido protocolada, a Mesa Diretora da Casa de Leis determinou que a proposta fosse devolvida ao autor, “por não conter o número mínimo de assinaturas indicado no inciso I do art. 60, da Constituição Federal, combinado com o inciso I do art. 201, do Regimento Interno da Câmara dos Deputados”.

Nenhum comentário: