href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

domingo, 26 de maio de 2019

Novo golpe no Whatsapp faz vitimas na região; Saiba como se proteger

Um novo golpe praticado por meio do Whatsapp está fazendo vítimas na região. A Polícia Civil de Maringá e de Umuarama, no noroeste do estado, conrma que já existem registros de ocorrência da nova ação envolvendo a rede social. Desta vez, os estelionatários agem a partir de anúncios em sites de venda na internet. Na semana passada, o delegado adjunto da 7ª Subdivisão Policial, em Umuarama, Gabriel dos Santos Menezes, divulgou comunicado explicando como os criminosos chegam até as vítimas. “A vítima faz um anúncio em um site de vendas na internet e disponibiliza seu número de telefone com Whatsapp para que eventuais interessados entrem em contato. A partir daí, criminosos cadastram o número de telefone da vítima em outro aparelho, para fazer uso do seu Whatsapp e ter acesso a todos os seus contatos”, diz o delegado. Segundo ele, quando o suspeito tenta reinstalar o Whatsapp da pessoa em outro aparelho, o aplicativo envia um código de vericação via SMS para o celular da vítima. “Sem este código, o criminoso não consegue nalizar a instalação do Whatsapp no outro aparelho.” No entanto, o estelionatário entra em contato com a vítima e se passa pelo administrador do site em que foi feito o anúncio, dizendo que a pessoa precisa informar a ele o código que recebeu para que o anúncio seja conrmado no site. “A vítima então informa o código e imediatamente perde o acesso ao seu Whatsapp, que passa a ser usado pelo criminoso”, explica Menezes. Com o aplicativo habilitado, os criminosos iniciam conversas com contatos da lista da vítima e pedem dinheiro emprestado. “Normalmente [são] contatos salvos com nomes que indiquem vínculo familiar: ‘pai’, ‘mãe’, ‘irmão’, ‘amor’”, destaca o delegado. Como se proteger? A principal medida de segurança, nesses casos, é não fornecer o código recebido via SMS, evitando a reinstalação do Whatsapp em outro celular. Outra medida que diculta a ação dos criminosos é congurar o aplicativo para a opção “Conrmação em duas etapas”. “Com esta conguração, o usuário insere uma senha que será exigida no caso de nova instalação. Assim, além do código enviado via SMS, o aplicativo solicitará a senha criada pela própria pessoa. Informações do GMC e da Folha Press.

Nenhum comentário: