href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

sábado, 25 de maio de 2019

Justiça determina prisão do ex-deputado estadual Carli Filho

O acidente ocorreu em 2009, Carli Filho estava embriagado na ocasião e dirigia em alta velocidade – algo entre 161 e 173 km/h.
A Justiça determinou a execução provisória da pena imposta ao ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho, condenado a sete anos, quatro meses e 20 dias de prisão em regime semiaberto. A determinação ocorreu nesta sexta-feira (24). A partir deste pedido, o juiz de execução vai determinar como será cumprida a prisão. O pedido do juiz substituto da 2ª Vara do Plenário do Tribunal do Júri de Curitiba, Thiago Flôres Carvalho e determina que o réu se apresente a autoridade policial. No despacho o magistrado afirma que a decisão deveria ser sigilosa para “assegurar o cumprimento da ordem judicial, tendo em conta que a publicidade poderia frustrar a medida ou dificultar a sua satisfação.” Porém publicou a ordem de prisão, já que a defesa de Carli Filho teria tomado ciência da medida. O ex-deputado foi condenado por júri popular em fevereiro de 2018, pelo crime de duplo homicídio com dolo eventual pelas mortes de Gilmar Rafael Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida em um acidente de trânsito. O acidente ocorreu em 2009, Carli Filho estava embriagado na ocasião e dirigia em alta velocidade – algo entre 161 e 173 km/h. O advogado Roberto Brezinski Neto informou que Carli Filho dará início ao cumprimento da pena o mais rápido possível. Segundo o advogado, o ex-deputado deve se apresentar nos próximos dias. Elias Mattar Assad, advogado da família Yared, informou que a família espera “que se cumpra a lei. A pena imposta nada mais é que um mal justo, por um mal injusto”. Mattar Assad disse também que “agora, a família Yared aguarda a sentença da ação indenizatória”. Segundo o juiz Tiago Flôres Carvalho, da 2ª Vara Plenário do Tribunal do Júri de Curitiba, a determinação da execução provisória da pena deveria permanecer em segredo até ser cumprida, “visando a evitar, por exemplo, eventual fuga. Entretanto, reconhece-se que o executado já tomou ciência da medida”. Ainda conforme decisão do juiz, o ex-deputado não foi encontrado no endereço residencial informado à Justiça.

Nenhum comentário: