href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Justiça determina bloqueio de bens de ex-prefeito e de ex-secretária de Turismo de Lunardelli por uso irregular de veículos do Município em 2015

A Vara Cível de São João do Ivaí, no Norte-Central paranaense, acatou pedido formulado pelo Ministério Público do Paraná, por meio da Promotoria de Justiça da comarca, e determinou a indisponibilidade de bens do ex-prefeito Hilário Vanjura (na gestão 2013-2016) de Lunardelli (município da comarca) e sua esposa, que na época ocupava o cargo de secretária municipal de Turismo. A ação do MPPR aponta prática de atos de improbidade administrativa que geraram enriquecimento ilícito dos ex-agentes públicos, danos ao erário e violação os princípios da administração pública. De acordo com as investigações, o ex-prefeito autorizou em 2015 a utilização de dois ônibus da frota municipal para transportar pessoas do município para uma festa religiosa em Tibagi, a cerca de 250 quilômetros de Lunardelli. Pela utilização dos veículos, foi paga uma tarifa simbólica de R$ 450,00, sendo que somente os gastos com combustível e diárias dos motoristas somaram R$ 1.719,51, representando, portanto, um prejuízo aos cofres públicos municipais de R$ 1.269,51 na época dos fatos. Além disso, conforme o MPPR, os requeridos também se valeram do pagamento de diárias e utilizaram o veículo oficial da Prefeitura Municipal de Lunardelli para se deslocarem até o local do evento para confraternizarem com os munícipes, sem que ficasse evidenciado o interesse público no deslocamento. O valor decretado indisponível é de R$ 6.166,17 para o ex-prefeito e R$ 2.300,56 para a ex-primeira dama. Caso sejam condenados ao final do processo, os réus estarão sujeitos às sanções da Lei de Improbidade, como suspensão dos direitos políticos, perda dos bens e valores acrescidos ilicitamente, ressarcimento integral dos danos e pagamento de multa civil. RESPOSTA - Nossa reportagem não conseguiu falar com o ex-prefeito, mas segundo sua defesa, ele deve divulgar nota, em breve, esclarecendo o fato e nega que tenha cometido qualquer irregularidade. Nossa reportagem se coloca a disposição para a divulgação da versão do acusado ou para qualquer outro esclarecimento. (Informações para a imprensa: - Assessoria de Comunicação)

Nenhum comentário: