href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Fóruns regionais vão debater fim da vacinação contra aftosa

O Governo do Estado vai promover fóruns regionais em seis municípios, durante o mês de maio, para debater com entidades do setor agropecuário as ações necessárias para solicitação e reconhecimento do status de Área Livre de Febre Aftosa sem Vacinação. Os eventos acontecem nas cidades de Paranavaí, no dia 14; Cornélio Procópio, no dia 15; e Curitiba , no dia 16. Já nos dias 21, 22 e 23, os encontros acontecem em Guarapuava, Pato Branco e Cascavel, respectivamente. Segundo o gerente de Saúde Animal da Adapar, Rafael Gonçalves Dias, o Paraná ocupa a primeira posição do ranking nacional na produção e exportação de frango de corte, e a terceira posição na produção de carne suína. Ele explicou que pecuária tam grande importância econômica para o Estado, e potencial de crescimento considerável com uma suspensão da vacina, agregando valor aos produtos. As ações de defesa agropecuária no Paraná vêm se aprimorando há muitos anos, atuando na fiscalização dentro das propriedades, no trânsito animal e nas indústrias do setor de produtos de origem animal, além da realização de diagnósticos importantes para que as ações sejam efetivas e oportunas. A suspensão da vacina contra febre aftosa pelo Paraná foi pleiteada pelo Estado para que a última campanha de vacinação seja em maio deste ano. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento entendeu, após auditorias no serviço veterinário oficial do estado, que o Paraná tem condições de suspender a imunização e buscar o status de livre sem vacinação. Entretanto, este processo gera algumas mudanças, principalmente no trânsito interestadual de animais de produção, a exemplo da proibição do ingresso de animais vacinados no Estado. Assim, todas as alterações devem ser comunicadas estrategicamente, antes de encerrar a campanha de vacinação de maio, a toda a sociedade, em especial aos agentes ligados ao agronegócio. 

Nenhum comentário: