href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

quinta-feira, 28 de março de 2019

Empresa é investigada por entregar carne de baixa qualidade e com rótulos adulterados em escolas de Cambé

Depois de uma denúncia da Prefeitura de Cambé, no norte do Paraná, a Polícia Civil descobriu que uma empresa distribuía carne com rótulo adulterado e de baixa qualidade nas escolas municipais. O produto seria usado na merenda escolar.A empresa investigada, que é de Maringá, também na região norte, venceu a licitação do município para distribuir o produto nas escolas. De acordo com a polícia, ela deveria distribuir a carne de um frigorífico de São Paulo, mas estava falsificando os rótulos de procedência.Durante a investigação, a Polícia Civil encontrou 92 quilos de carne com rótulos falsificados dentro de um veículo da empresa. Ao verificarem a sede da distribuidora, descobriram mais 607 quilos na mesma situação."O proprietário confessou que falsificava os rótulos para poder vender a carne para outros municípios porque só tinha licença de funcionamento municipal, ou seja, só podia atuar em Maringá", explicou o delegado Roberto Fernandes.Na empresa foram apreendidos, além da carne, 100 rolos de rótulos falsificados e um computador que era utilizado pelo proprietário para criar as etiquetas.O vice-prefeito de Cambé, Conrado Scheller, explicou que as nutricionistas da prefeitura avisaram que a carne estava com problemas."Por causa do cheiro forte, elas pediram algumas vezes para essa empresa fazer a troca dos produtos. Da última vez, as nutricionistas perceberam que os números de identificação dos rótulos eram os mesmos de outras cargas. Elas descobriram o erro após entrarem em contato com o Ministério da Agricultura e com o frigorífico", detalhou. A prefeitura informou que vai romper o contrato com a distribuidora e vai chamar a segunda colocada na licitação. Enquanto esse procedimento não é concluído, o município informou que as unidades escolares têm estoque suficiente para a produção das merendas pelos próximos dias.Ninguém foi preso, mas o proprietário da empresa será investigado, a princípio, por estelionato. As carnes e os rótulos serão periciados.Fonte: G1

Nenhum comentário: