href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Aeroportos de Curitiba, Foz do Iguaçu e Londrina serão privatizados

Quatro aeroportos do Paraná serão privatizados, de acordo com o Ministério da Infraestrutura. A previsão da pasta é a de que os leilões para concessão dos terminais ocorram em 2020.Em março deste ano, após o leilão dos três blocos de aeroportos do Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste, o governo federal vai anunciar a próxima rodada de concessões, que terá o Afonso Pena como principal, segundo o ministério.Com isso, serão iniciados os estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental. Também serão privatizados os aeroportos do Bacacheri (Curitiba), Governador José Richa (Londrina) e o de Foz do Iguaçu. Outros terminais do Sul devem compor o bloco de leilões.De acordo com o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), que esteve em Brasília na terça-feira (12) para tratar do assunto, os investimentos mais pesados serão nos aeroportos de Londrina e Foz do Iguaçu.Segundo ele, em Londrina os investimentos serão em tecnologia, principalmente para permitir que haja pousos e decolagens com mau tempo. Em Foz, haverá aumento da pista para receber voos internacionais, conforme o governador.
No Afonso Pena, Ratinho explica que haverá investimentos em tecnologia, equipamentos, nos acessos e aumento do pátio de estacionamento.Já o terminal do Bacacheri, que não tem como ter a pista aumentada, está prevista a modernização do estrutura, inclusive de equipamentos, ainda segundo o governador."Vai ser importante porque o estado não tem dinheiro para fazer os investimentos. Alongamento da pista em Foz passa de R$ 250 milhões. Com a iniciativa privada se consegue investir de forma mais rápida, como acontece em Campinas, Guarulhos e Florianópolis", afirma. Fonte: G1

Nenhum comentário: