href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Funcionários que aproximavam imagens de câmeras para ver mulheres voltam ao trabalho

Os servidores da Secretaria Municipal de Segurança Pública de Guaratuba, que estavam sendo investigados em uma sindicância aberta pela prefeitura da cidade, estão de volta ao trabalho desde terça-feira (8). Eles são acusados de utilizar equipamentos de monitoramento instalados nas praias para filmar mulheres, dando ‘close’ nas banhistas. Tudo isso em horário de expediente.Os funcionários haviam sido afastados das atividades no final de novembro, quando a situação foi descoberta por colegas de trabalho. Os outros servidores procuravam arquivos para localizar um adolescente que se afogou no dia 16 de novembro, quando se depararam com o zoom nas mulheres. Além da sindicância, o Ministério Público do Paraná instaurou, no dia 28 de novembro, um inquérito civil para apurar a conduta dos homens.De acordo com a assessoria da Prefeitura, os servidores haviam sido afastados para não atrapalhar o andamento do processo de sindicância. No entanto, a ação foi concluída na terça-feira (8), dentro do prazo de 30 dias estabelecidos pela instituição, e com o seu término, os funcionários puderam voltar a trabalhar na Secretaria de Segurança Pública.Com a conclusão da sindicância, a comissão decidiu pela abertura de um processo administrativo disciplinar (PAD), que foi autorizada pelo prefeito Roberto Justus e tem um prazo de 90 dias, podendo ser prorrogado conforme determinação da comissão. Até que o processo seja finalizado e a conduta de cada funcionário seja apurada individualmente, os homens serão supervisionados em atividades administrativas. Somente após esse resultado, os servidores poderão ser julgados e, posteriormente, penalizados. Foto: Bruna Froehner/Rede Massa/ Fonte: Massa News.

Nenhum comentário: