href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Diretor que iria comandar o Enem tem nomeação suspensa um dia após ser oficializado no cargo

O governo federal decidiu, nesta quinta-feira (17), suspender a nomeação de Murilo Resende Ferreira. O economista iria assumir a coordenação do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. A nomeação foi feita na noite da última quarta-feira (16) através de uma portaria assinada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Na noite desta quinta, também em edição extra do Diário Oficial, Lorenzoni assinou outra portaria em que declarava a nomeação de Ferreira “sem efeito”. O ministro não informou o motivo de sua decisão. O economista iria assumir o cargo de diretor de avaliação da educação básica do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, o Inep. Doutor em economia pela FGV, Ferreira foi aluno do curso online de filosofia de Olavo de Carvalho, uma das pessoas influentes no governo Bolsonaro. No entanto, a indicação de Ferreira gerou polêmica. O coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, afirmou que a nomeação demonstrava compromisso com uma visão de que o Enem seria um instrumento de “doutrinação”. Defensor das ideias do programa Escola Sem Partido e crítico do que classifica como “ideologia de gênero”, Ferreira chegou a chamar os professores brasileiros de “manipuladores” que não querem “estudar de verdade” durante uma audiência pública no Ministério Público Federal de Goiás, em 2016.

Nenhum comentário: