href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Cantor sertanejo Jads, que faz dupla com Jadson, cai em golpe no ES

Crime aconteceu em outubro de 2018, após sertanejo se apresentar em um evento. Segundo a polícia, ele foi drogado e teve joias e carteira roubadas por homens que conheceu no bar.
A polícia está procurando o quinto suspeito de roubar pertences e tentar extorquir dinheiro do cantor Jads, da dupla sertaneja Jads & Jadson. A investigação aponta que os pertences roubados foram avaliados em R$ 300 mil. Na terça-feira (8), quatro pessoas foram presas. O crime aconteceu durante uma visita do cantor ao Espírito Santo para um show na Serra, região da Grande Vitória. No dia seguinte a apresentação, o sertanejo foi até uma região de bares na Praia do Canto, em Vitória, onde conheceu dois rapazes e passou parte da noite bebendo e conversando com eles. De acordo com a investigação da polícia, Jads foi drogado e teve os pertences roubados. Depois disso, o cantor voltou para casa, mas começou a ser ameaçado para pagar R$ 50 mil para ter os objetos de volta. Foi quando ele voltou ao estado e acionou a polícia. A polícia agora busca de Ramon Colli Oliveira. Ele é suspeito de penhorar um colar e uma pulseira do cantor em uma relojoaria do Centro de Vitória. O colar foi vendido por R$ 23 mil e a pulseira por R$ 5 mil. Nas redes sociais, o suspeito tinha uma foto usando o colar do cantor. De acordo com o delegado que investiga o caso, Henrique Vidigal, Ramon praticou o roubo e esteve no aeroporto no dia da prisão. Segundo a polícia, ele sabia da tentativa de extorsão por parte do grupo. O empresário da Dupla Sertaneja Jads & Jadson, Ninho, disse para o G1 que o cantor Jads ainda não vai se manifestar sobre o caso porque a investigações está em andamento. A Polícia Civil informou que os objetos recuperados serão entregues para o cantor. Presos Três pessoas envolvidas na extorsão foram presas no aeroporto de Vitória, enquanto esperavam para receber R$ 50 mil que tinham sido negociado com o cantor. Segundo a polícia foram presos: Pablo Coutinho Rangel, que ligou para o cantor para extorqui-lo, o agiota Mário Luiz Rodrigues, que estava com a pulseira de ouro do artista e o terceiro foi Thiago Domingos Magnago, filho do dono da relojoaria onde as joias foram penhoradas. Um foi autuado por extorsão e usurpação de função pública, por se passar por policial, e outros dois por receptação e penhor de ouro ilegal. O delegado afirma que eles estavam em contato com o Ramon quando tentaram extorquir Jads, mas que não sabiam que as jóias tinham sido roubadas.
O quarto detido é o pai de Thiago, Joel Magnago, ele é dono da relojoaria que receptou as joias roubas. Segundo a polícia, várias jóias encontradas no estabelecimento não tinham nota fiscal. Ele também foi autuado por receptação e penhor de ouro ilegal. Em contato telefônico do G1 com a relojoaria, o atendente, que não quis se identificar, disse que não passaria informações sobre o caso e nem o contato da defesa dos proprietários presos. A equipe da TV Gazeta esteve na manhã desta quinta-feira (10) no estabelecimento, que estava fechado com um cartaz que alegava motivos pessoais. A reportagem não conseguiu localizar a defesa de Pablo Coutinho Rangel e Mário Luiz Rodrigues. Caso - Segundo a polícia, o cantor ficou inconsciente depois de ingerir a droga colocada na bebida. A vítima, então, só acordou no outro dia, já sem os pertences: um cordão e uma pulseira de ouro, um relógio e uma carteira. “Assim que ele recobrou a consciência, percebeu que estava na casa de um dos suspeitos. Imediatamente, deu falta dos pertences, questionou as pessoas e elas disseram que não sabiam. Por estar sozinho, com medo de que acontecesse alguma coisa, ele deixou o local", explicou o delegado Henrique Vidigal. Depois disso, o cantor passou a ser procurado pelo grupo. Os suspeitos pediam um valor de aproximadamente R$ 50 mil para devolver os objetos. O sertanejo chegou a marcar um encontro com os suspeitos no aeroporto de Vitória para recuperar os pertences. Mas, por orientação de amigos e familiares, acionou a polícia no Espírito Santo.

Nenhum comentário: