href="https://1.bp.blogspot.com/-6gy4glK0nPk/XHGyQlw1tUI/AAAAAAADRDg/g44NPL06wLs5iJ6w2ILCd_7b2dAUxF7iACLcBGAs/s1600/na-chapa-restaurante.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações de todas as notícias

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Tribunal determina suspensão de licitação por supostas irregularidades

Da Tribuna do Interior - O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) determinou ao prefeito de Araruna, Leandro César de Oliveira (PPS) a suspensão de licitação para a contratação de empresa para prestação de serviços de transporte, tratamento e disposição final de resíduos sólidos gerados pelo município, após supostas irregularidades no certame. A denúncia foi formulada ao Tribunal pela Transresíduos Transportes de Resíduos Industriais Ltda, que participou do certame. A empresa alegou várias supostas irregularidades no edital que teria prejudicado a livre concorrência. Entre as irregularidades, o denunciante apontou: exigência indevida de Licença Ambiental; exigência de comprovação de matrícula atualizada da área de destinação final dos resíduos, em nome da proponente; exigência de pesagem em balança eletrônica própria com vistoria semestral do Inmetro; exigência de apresentação de Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) do Aterro Sanitário; e confusão entre a fase de credenciamento e de habilitação. Em resposta, o município defendeu a legalidade e regularidade dos itens do edital, porém o conselheiro do TCE, Fabio Camargo, disse entender que os indícios de irregularidades presentes na licitação, podem direcionar o resultado do certame. Ele apontou também falhas no edital. “O defeito recai sobre o fato de que há certa confusão entre as fases de credenciamento e de habilitação”, sustentou. Ainda conforme o conselheiro, a situação pode gerar a eliminação precoce de eventuais interessados que, ao final, diante das propostas, poderiam gerar maior competitividade e diminuição do valor final da licitação, afetando na economicidade. O Tribunal de Contas estipulou o prazo de 15 dias ao município para apresentar contraditório.

Nenhum comentário: