PARA CONTATOS ADICIONE O EMAIL: studiowj@hotmail.com OU (43) 9 9626-2009
>

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Justiça manda bloquear R$ 263 milhões de Beto Richa, dois deputados e mais 10 investigados da Operação Quadro Negro

Operação apura o desvio de mais de R$ 20 milhões de obras de escolas públicas do estado.
A Justiça decretou o bloqueio de bens do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) e dos deputados Plauto Miró (DEM) e Valdir Rossoni (PSDB) e de outros 10 investigados na Operação Quadro Negro. A decisão é de 11 de outubro e foi assinada pelo juiz Eduardo Lourenço Bana. Veja quanto o Ministério Público do Paraná pediu para ser bloqueado de cada um: Carlos Alberto Richa: R$ 27 milhões; Edmundo Rodrigues da Veiga Neto: R$ 27 milhões; Eduardo Lopes de Souza: R$ 16 milhões; Evandro Machado: R$ 16 milhões; Luiz Eduardo da Veiga Sebastiani: R$ 27 milhões; Marilane Aparecida Fermino da Silva: R$ 16 milhões; Maurício Jandói Fanini Antonio: R$ 16 milhões; Plauto Miró Guimarães Filho: R$ 27 milhões; Tatiane de Souza: R$ 16 milhões; Valdir Luiz Rossoni: R$ 27 milhões; Valor Construtora e Serviços Ambientais – EIRELI: R$ 16 milhões; Vanessa Domingues de Oliveira: R$ 16 milhões; Viviane Lopes de Souza: R$ 16 milhões. A decisão da Justiça, porém, não detalha quanto, de fato, foi bloqueado de cada investigado. Richa e os outros são investigados na Operação Quadro Negro, que apura o desvio de mais de R$ 20 milhões de obras de escolas públicas do estado. Segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR), as fraudes foram cometidas em aditivos de obras fechados com a Construtora Valor, autorizados pela administração pública. Para o MP, as investigações apontaram, em especial com base nas delações de Eduardo Lopes de Souza e Maurício Fanini, que os aditivos foram desnecessários e fraudulentos. As investigações também apontaram que Maurício Fanini, ex-diretor da Secretaria de Estado da Educação (Seed), protagonista dos desvios de recursos, seguia ordens do ex-governador, que seria o principal beneficiário do esquema fraudulento. Os procuradores dizem que mais de 20 mil alunos foram prejudicados com a ausência das escolas que deveriam ser concluídas. O outro lado Em nota, a assessoria de imprensa de Beto Richa disse que só irá se manifestar no processo. O advogado Azis Simão Filho, que defende Eduardo Lopes de Souza, disse que não teve acesso aos autos e que vai se manifestar assim que isso acontecer. Em nota, a defesa do deputado federal Valdir Rossoni disse que ele não foi citado dos termos da ação e do despacho. Disse ainda que quando isso acontecer, vai pedir a revogação porque Rossoni não cometeu nenhum ato de improbidade administrativa. O deputado estadual Plauto Miró disse que já prestou os devidos esclarecimentos sobre o assunto para o Ministério Público, e somente se manifestará sobre o fato perante o Poder Judiciário, quando for oficialmente intimado para tanto. Luiz Eduardo da Veiga Sebastiani disse que cumpriu com todas as suas atribuições como secretário de Estado da Fazenda e que, em nenhum momento, há um ilícito da parte dele constatada pelo Ministério Público. "A fraude aconteceu na Secretaria de Educação, distante da Fazenda, que tão somente tem a tarefa de fazer a liberação de recursos para todas as secretarias", disse Sebastiani. Os advogados da empresa Valor afirmaram que não tiveram acesso e só depois vão se manifestar. A defesa de Maurício Fanini afirmou que seu cliente está colaborando de forma efetiva e que irá continuar cooperando com a Justiça. Edmundo Veiga afirmou que tomou conhecimento da decisão da Justiça, que foi induzido a assinar os aditivos por ser o ordenador de despesas da Seed à época, e que vai provar a sua inocência. O G1 não conseguiu contato com as defesas dos demais citados na reportagem. Por Alana Fonseca, Diego Ribeiro e Helena Krüger, G1 PR e RPC CuritibaVeja mais notícias do estado no G1 Paraná.

Nenhum comentário: